Alimentos feios levam a inovação para acabar com a fome

676

Cassia PeraltaEscrito por:

A América Latina e o Caribe são um dos maiores exportadores de alimentos do planeta. No entanto, mais de 52 milhões de pessoas, ou 10% da população da região, ainda sofre com a fome e a desnutrição. O relatório “Perdas e desperdícios de alimentos na América Latina e no Caribe” publicado em julho de 2014 pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) levantou um paradoxo bem significativo enfrentado pela região. Enquanto a América Latina tem uma grande capacidade de produção de alimentos, ela também é responsável por 6% do total das perdas e do desperdício de alimentos no mundo. A má distribuição e acesso aos alimentos levou a esta situação, que, se evitada, poderia ter satisfeito as necessidades de pelo menos 47 milhões de pessoas que sofrem de fome na região.

Photo credit: Creative Commons by Erich Ferdinand

Photo credit: Creative Commons by Erich Ferdinand

As perdas de alimentos ocorrem quando há uma diminuição na disponibilidade para consumo humano em várias fases da cadeia alimentar; desde a produção à pós-colheita, armazenamento e transporte. Já o desperdício de alimentos ocorre quando os alimentos que ainda têm valor nutricional são descartados pelos varejistas e consumidores. Este último está diretamente relacionado com os padrões de comportamento e decisões tomadas pelas pessoas que têm contato com os alimentos. Essa perda não só representa a maioria dentro da cadeia alimentar, mas também ela poderia ter satisfeito as necessidades de mais de 60% das pessoas que sofrem de fome na região.

Com tantas pessoas ainda desnutridas na região, é um problema grave que tanta comida boa para o consumo acabe no lixo. Para resolver este tema a FAO lançou a iniciativa Save Food (“Salve os Alimentos”) para mobilizar parceiros dos setores públicos e privados a melhorar a eficiência dos sistemas alimentares, estabelecer marcos regulatórios, alianças estratégicas, além de aumentar a consciência pública sobre este problema. A iniciativa está à procura de especialistas para compartilhar conhecimento entre os países e criar uma estratégia viável para a América Latina e Caribe.

Enquanto isso, a criatividade não encontra limites e ao olhar ao redor do mundo para obter exemplos de como o setor privado tem evitado o desperdício de alimentos, gostaria de levá-los à bela França. Intermarché é uma cadeia de supermercados francesa que percebeu que o comportamento do consumidor desempenha um papel enorme quanto ao desperdício de alimentos. Por isso, eles lançaram a campanha “Frutas e Legumes Feios” para evitar o descarte de vegetais e frutas que são perfeitamente adequados para o consumo, mas considerados “menos desejados esteticamente” pelos consumidores. Os frutos não-tão-bonitos receberam uma transformação total, com direito a campanha de publicidade e uma diminuição de 30% no seu preço – e como resultado voaram das prateleiras diretamente para as famintas barrigas dos consumidores.

Agora imagine se mais iniciativas como essa, dirigidas aos produtores, distribuidores e especialmente aos consumidores, decolassem? Resolver o desperdício de alimentos e o problema da fome e desnutrição na América Latina nunca teve um sabor tão gostoso.

 

Last modified: Septiembre 12, 2016

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *